quarta-feira, 29 de junho de 2011

Alerta vermelho

Vi, analisei, processei o pensamento a respeito da estética e curti. Curti e esqueci. Aliás, comentei com duas pessoas. Valia um comentário ardente, provocativo. Só pra constar. Só pra dizer pra mim que ainda existe motivos para vir trabalhar, comer, dormir e querer viver. Motivos até pra se vestir menos jeca. Alerta vermelho. Eu não ligo pra roupas - não as minhas. Mas, e agora como pode esse motivo interferir nisso? Alerta vermelho total. Isso aconteceu essa semana. Ressuscitei-o digitalmente e pronto. Descobri coisas que não gostei. Vi, analisei, processei o pensamento a respeito da estética e não curti. Depois de tanto tempo, o motivo ressurge dando bandeira por aqui. Não por aí. Ele não está aí. Está por aqui à espreita, acordado com o destino de se jogar na minha frente toda vez que eu vou propositalmente lá fora - ver o que acontece. Não acontece. Alerta vermelho. Tem que acontecer. Portanto, vai acontecer. As coisas acontecem quando eu quero que aconteça. É um acordo que também fiz com o destino: de querer e conseguir. Nada se joga na minha frente e fica por isso mesmo. É o destino dizendo "estamos quase lá". Estamos no bendito mesmo lugar, motivo. Eu não vi, analisei, processei o pensamento a respeito da estética e curti à toa. Trata-se de um plano mirabolante do destino, meu camarada. E o pior (melhor), o motivo não ressurgiu por descuido ou qualquer coisa que valha. Tudo combinadinho. Rá. O detalhe maior é que só eu me dei conta disso e agora vou ter que avisar a outra parte. Alerta vermelho. Mais uma vez eu vou ter que ser cara de pau ao extremo. Alerta vermelho. E ontem, o que foi ontem? Impensável. Nem no meu melhor sonho eu pensaria aquilo. Nem no maior devaneio da semana aquilo poderia ter acontecido. Alerta vermelho. E hoje, o que foi hoje? Alerta vermelho.

"A gente todos os dias arruma os cabelos: por que não o coração?" Provérbio chinês

"Corro perigo
Como toda pessoa que vive
E a única coisa que me espera
É exatamente o inesperado"
Clarice Lispector


"E de surpresa em surpresa, o inesperado. E quando o inesperado lhe sorri, como não lhe sorrir de volta?" Camila Custodio

0 blábláblá:

Postar um comentário