quinta-feira, 2 de junho de 2011

1095 dias

Precisamente há 3 anos eu conheci alguém que mudou a minha vida. Não mudou no dia 02 de junho de 2008, mudou um pouco todos os dias a partir dessa data. Quando o vi não levei muita fé. Não levei muita fé durante muitos dias, mas bem me lembro que foi no mesmo mês que o inscrevi no Prouni. Pretendia ajudar um até então meio-estranho meio-conhecido, um ainda-não-amigo. Bondade minha. Eu naquele tempo tempo não tinha amigos. Eu nos tempos de hoje só tenho ele. Um ser sempre tão animado e disposto a viver. Uma pessoa que não vê muita maldade no mundo, ou coloca as mãos em frente aos olhos pra não enxergar o que está errado. Desde que o conheço sempre foi assim. É alguém constante, apesar de ter mudado tanto. É divertido pacas, embora se emburreça com algumas piadas. Ele não sabe contar piadas. Mas tem força pra me carregar nas costas. Eu o ensinei a gostar de fotografia. Ele me ensinou a gostar de Grammy e charts da Billboard. Ele come sem fome e se joga nas aventuras mais impensadas e irresponsáveis. Idéias minhas. Ele escuta todas as minhas lorotas e suposições. Eu escuto todos os seus conselhos e proposições. Eu digo vai. Ele segue. Eu aguardo o sábado que ele vai ter pra mim. Ele guarda o sábado dele pra nós. Nossa amizade, se fosse como um contrato, seria um sem data de conclusão ou encerramento. Haveria cláusulas que permitiriam a rescisão sem multas ou encargos. Sem deveres ou diretos. Apenas opções. Estar juntos por vontade, não por obrigação. Eu poderia escrever um livro pra contar todos os nossos causos e todas as minhas impressões sobre o nosso relacionamento, que pra mim é de infância. Mas eu sei que ele sabe tudo que é bom saber. E você sabe por que nossa amizade já dura tanto tempo? Primeiro, porque não cobramos nada um do outro. Nos vemos se quisermos e quando podemos. Segundo e essencial, porque temos mais diferenças do que semelhanças. A nossa melhor e mais evidente semelhança é que aceitamos as diferenças. As nossas entre nós e as dos outros conosco.

"Correeeee, Luaan. Perdi meu celular, Luaaaan."  Bruna Foscarini

"Voltemos ao parque, sim? Estávamos a dupla, Bonnie & Clyde, Debi & Lóide, Pepê & Neném, sentados, aproveitando a brisa e as lamúrias narrativas, quando ele apareceu." Luan Ott

0 blábláblá:

Postar um comentário