domingo, 8 de maio de 2011

our hopes and expectations

Play: Muse, Starlight. Daquelas que são ótimas quando se quer inspiração, força ou esperança. Já fiz uso dela nas três situações, pena que esqueci hoje. Caberia. Eu fui lá, dei uma volta. Estava quente e eu com vontade de ver como as coisas sairiam. Não sairam. Ignorância alheia. Concluiu precipitadamente algo que foi apenas uma amostra pertubada do que poderia ser. Não foi. Não foi e eu perdi. 2X0 contra mim. Perdi o que quase tive e o que eu não queria ter mas me divertia. Fiquei sem nada, só espaço vazio do meu lado em qualquer banco ou sofá. Só mais espaço em branco pra preencher no coração. Na verdade, acho que a cada perda não fica espaço aberto. Instantaneamente o espaço se fecha pra nunca mais ser pintado. Nem branco, nem cores. Só rabiscos. Eu sou um rascunho. Sou as folhas ainda não usadas que alguém amassou porque desistiu de usar. Eu entendo porque o ignorante age do jeito que está agindo, mas não concordo. Não é assim que se mantém as amizades, nem mesmo aquelas que ainda não o são e nem seriam. Era apenas coleguismo. Era uma desconhecida conversando durante absurdas horas com um canceriano desconhecido. Seguiria sendo isso até um dos dois cansar de frequentar o mesmo espaço do outro. Agora, um não quer falar com outro mas continua indo no mesmo lugar. Provocação. Joguinho de gato e rato. Só que ele esqueceu do principal: eu sou a raposa. Deve ser só pra me testar. Ele disse que testava as pessoas. Bem me lembro. Disse isso e eu nunca me esqueci. Disse isso provavelmente em um dia bonito de esperança em que ouvi Starlight. Agora uso a música pra escrever isso, ou seja, para inspiração. Não há mais esperança. Dessa vez eu só preciso de força para suportar as minhas expectativas. Embora fosse melhor não cultivá-las. Eu não esperava isso dele, apesar de saber de que se tratava de um ser misterioso. Eu disse isso pra ele - bem me lembro. Ele respondeu - "não sou" - surpreso com a minha opinião. Hoje já não o acho misterioso. Acho nada. Deve ser a burrice que encobriu aquele corpinho enxuto e impediu que algo bom transpareça.

"Na boca do mentiroso, até a verdade é suspeita." Jacinto Benavente y Martinez

"A coisa mais bela que o homem pode experimentar é o mistério. É essa emoção fundamental que está na raíz de toda ciência e toda arte." Albert Einstein

"Quanto maior o desejo por desvendar um mistério, maior valor será atribuído à descoberta." Danilo Gomes


0 blábláblá:

Postar um comentário