sábado, 14 de maio de 2011

Não corro mais perigo de correr perigo

Foram três meses e três dias de tentativas infrutíferas de perigo. Só tentativas. Dizem que o prazo é de noventa dias, e olha só a minha audácia, ultrapassei três. Que também era a quantia de perigos - de diferentes níveis, mas perigos. Pensava que dessa vez algo fluisse. Pelo menos uma vez. Não fluiu e todos combinaram de me esquecer ao mesmo tempo. São ótimos em armações. E eu achando que havia riscos. Me arrisquei por ninguém. Lamentável, porque era isso que eu procurava. Correr riscos. Me sentir viva. E no final sair ilesa. Outra vez. Não teve perigo e não saí ilesa. Paradoxal. Outra vez. Me mataram. Outra vez. A vida acha que eu adoro situações paradoxais e reservou uma carga delas pra mim. Não, eu não gosto. Eu queria momentos inteligíveis e não tive nada além de fazer os curativos. Outra vez. Não tenho tino pra ser enfermeira, tá vida?
Eu poderia ir atrás de todas as possibilidades de perigo, mas eu já fui uma vez. Outra vez seria não ter amor próprio. Que venha até mim. Se souberam sumir, saberão aparecer quando convir. A questão é que não virão. Eu conheço o meu eleitorado covarde e orgulhoso. Embora eu quisesse que apenas um acordasse pra vida e continuasse de onde parou. Mas enfim, isso certamente não vai acontecer porque eu devo ser o ser mais monótono do planeta. Não é possível que esses comportamentos alheios aconteçam comigo por outros motivos. Ah, eu devo ser um ser cansativo. Claro. Como se correr perigo também não fosse cansativo. Mas veja só, eu sou forte, eu ignoro o cansaço e tento. Tento até cansar. E não cansada o suficiente, fico pensando que se eu tivesse tentado de outra forma talvez tivesse conseguido e tramo outras tentativas. Assim, eu pelo menos posso me orgulhar de ter tentando várias vezes. E não só uma, como vocês habitualmente fazem. Fazem assim e fazem errado. Não me dão tempo nem de ensinar como é que se faz. Não dão tempo nem pro tempo. Se subestimam ou se superestimam. São egoístas demais ou medrosos demais. Não sei. Mas sozinhos vão continuar sendo o que são: ninguém desconsiderando alguém que pensa em vocês.

"We could have had it all
(You're gonna wish you never had met me)
Rolling in the deep
(Tears are gonna fall, rolling in the deep)
You had my heart inside of your hand
(You're gonna wish you never had met me)
And you played it to the beat
(Tears are gonna fall, rolling in the deep)"
Rolling in the deep - Adele

0 blábláblá:

Postar um comentário