quarta-feira, 29 de setembro de 2010

a sua má vontade (ou ignorância) me comove

Fascina. Estonteia. Ansia. Golpeia. A (falta de) presteza de certos seres, ainda classificados como humanos, recai sobre mim como uma tijolada na cara ou uma facada nas costas. Necessito urgentemente que pessoas ágeis, educadas e eficientes trabalhem em órgãos públicos e não posterguem seus deveres para 10 ou 15 dias. A mão não vai cair se fizerem o que tem que ser feito em 2 ou 5 dias. As pessoas fazem contratos, negociam, combinam, marcam e assumem compromissos acordados em datas que supostamente poderiam cumprir. Todavia, esquecemos que os seres mediadores de alguns documentos usam e abusam da nossa falta de tempo para ver se a gente aguenta o jogo. Eu já disse, jogo para mim é só dardo ou pingue-pongue. Jogos burocráticos não rolam. Tenho semi-ataques cardíacos só de imaginar o que o atraso em certos departamentos causa, sem ao menos a pessoa prejudicada ser responsável pelo descumprimento da data estipulada. Ora bolas, sejamos compreensivos.

Pensar machuca, eu sei. Apesar disso, penso que pensar o que Morin propõe é válido. Ele fala que devemos compreender o processo de compreensão. A complexidade, método em que Morin é um dos principais estudiosos, encaixa perfeitamente no que as pessoas incapazes de usar a massa cinzenta deveriam aprender. Seria assim: primeiro, uma raspagem cefálica; segundo, a troca das retinas; terceiro, se desprender de todos os conceitos e opiniões formadas. Por fim, entender que esses passos são para compreender aquilo que já se tinha um entendimento, pórem atráves de outro olhar. Encaixar todas as partes do que se pensa em algo único e múltiplo. Ou seja, como um complexo habitacional, são vários prédios (múltiplo) que formam um lugar (único).

Dei esse exemplo porque as pessoas deveriam ter a consciência que o trabalho delas interferem no andamento de vidas alheias. Vamos pensar no todo, e não só na nossa parte. Mas sabendo que para que o todo funcione é preciso que cada parte se desenvolva.

Sendo as coisas como são, use a complexidade para me entender também.

"Uma tarefa fácil se torna difícil quando você a realiza com má vontade." Terêncio

“As convicções são cárceres.” Nietzsche

terça-feira, 21 de setembro de 2010

jogo de dardo

Detetive. Corda. Master System. Dynavision. Pingue-pongue. Carro-choque. Saudade. Quando criança eu não entendia porque os adultos diziam que eu deveria aproveitar a minha fase, que tudo mudaria quando eu crescesse. O que eu mais queria era crescer porque eu pensava que não iria mudar. Bobice minha. Depois de adulto, o ser humando continua mudando. Nada é estável, e não seria diferente com a personalidade. Não sei sobre você, mas quanto a mim, tenho uma personalidade maleável para me adequar as situação críticas. Estou em uma, inclusive. Mas já já fica tudo bem. Tudo azul. Domingo foi um dia de good news. Não será diferente nesta semana. Só notícias boas. Deus tem uma encomenda pra mim com um tope azul marinho, coisa mais linda - o conteúdo.

Complexidade para apresentar quinta-feira. Sexta tá tranquilo, apresentação do projeto de monografia já foi. E o carinha lá também se foi. Sabe, falta sensibilidade em uns e sobra em outros. O jeito é ficar alone - assim como o dardo azul no meu jogo.



"Algo grandioso está para acontecer." Comercial da Warner

"O que há de melhor numa coisa nova é aquilo que satisfaz um desejo antigo." Paul Valéry

domingo, 12 de setembro de 2010

é tão urgente o que eu peço.

Mó palhaçada é o lance, se for do jeito que eu entendi. Eu não tenho uma plantação de dinheiro na cobertura do meu edifício. E ainda não excreto valores, meus meios fisiológicos são comuns. Espero que não se confirme o atraso de vida. Eu não quero ficar estudando até 2013. Não quero e não mereço mesmo. Meu limite é 2011. 2011, ouviu, my Sweet Lord? Eu imploro. PLEASE, save me now as you did another time. Segunda, ou no máximo terça já saberei disso. O problema até lá é controlar a incontrolável ansiedade.Vira tudo tecido adiposo por consumo excessivo de carboidratos e açucares. Eu tô ansiosa pacas. E não só por isso. Mas, mais com isso. Eu tinha me acalmado porque o outro lance tinha se concluído de maneira exitosa. Pelo menos isso. Eu sempre tenho que me ferrar. É incrível como tudo conspira pra me deixar soterrada. Depois eu que sou a estranha. Estranho é o que fazem comigo. Eu só sou as consequencias desses rolos todos. Eu sou velha por causa de todas as coisas que já aconteceram. Eu sou mais velha do que a minha mãe. Ela sim anda feliz como uma jovem de 20 anos, como que tivesse um futuro certo. Essa é minha encanação maior: eu não tenho um futuro certo. Eu não tenho nem uma porcaria de presente certo. Cada dia é uma porrada que a vida me dá. Cara, eu já aprendi tudo que eu podia aprender com o que já se passou. Eu não quero um vale a pena sofrer de novo. Eu quero paz, tá ligado? É só isso que eu quero. Sossego em pó, embalado, envidraçado...sei lá. Só não quero congelado, petrificado em pedrinhas de gelo queimando na minha mão e se liquidificando quando eu tiver 60 anos. O que eu peço é urgente. É pra hoje.

"Preciso de alguém, e é tão urgente o que digo" Caio F. Abreu
"Angústia é um nó muito apertado bem no meio do seu sossego." Adriana Falcão
"A vida não é como a gente quer. A vida é como ela quer ser." Minha mãe