sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Tuas fugas e tu

Indubitavelmente eu errei. Ou não.
Julguei erroneamente quem eu sempre julguei.

Julgava-o pois a minha desconfiança exigia isso de mim. Julgava-o com um olho aberto e o outro semi-cerrado. Julgava porque não me permitia absorta certeza perante aquela situação. Jamais soube se julguei certo ou não, mas a última vez que o fiz, errei.

Aqueles passos cumpridos e perdidos, a impaciência das pernas e os olhos analisando qualquer individuo que por ventura se aproximasse dele durante aquelas longas conversas no telefone - aquelas do tipo que esquenta os ouvidos de quem ouve e ferve as idéias de quem desconfia - propunham julgamentos, mesmo que controversos, daquele ser indecifrável.

O que aconteceu no quarto dia, provavelmente não seja o mesmo que houvera no terceiro seguinte. A dúvida que me mantinha presa a observar os trejeitos, passos, risos falsos e outras mancadas, só foi sanada no quinto dia. E eu fazendo mau juízo. Desde a primeira semana atinei que acontecera algo que não lhe fez bem. Não havia diversão, nem algazarra. Era a tragédia que estivera por vir e acabou o cometendo. Compreensível, deveras. Além disso, acrescenta-se nesse calculo de infortúnios os problemas do cotidiano familiar, que sempre cá com os meus botões acreditei que os acompanhara na sua humilde residência. Todo aquele jeito de "veja como sou feliz" é o disfarce de "cara, minha vida tá de pernas pro ar, mas faço de conta que tá tudo bem".

Eu sei bem disso, eu o conheço há tempo suficiente e reconheço esses macetes ridículos que todo mundo que é do jeito dele tem. O que me irrita, mais do que as promessas não cumpridas, é esse jeito recuado para comigo. Pô, eu quero só fazer o bem, e quero o bem dele também. Certas coisas são tão nítidas que não cabe eu dizê-las aqui.


Frases de Tati Bernardi:

"Vou me enganar mais uma vez, fingindo que te amo às vezes, como se não te amasse sempre."

"Talvez meu amor tenha aprendido a ser menos amor só para nunca deixar de ser amor"

"O desejo me acompanhou até em casa. Muito, muito mais forte que minha nobreza em ter dito não."

0 blábláblá:

Postar um comentário