domingo, 16 de agosto de 2009

Palavras repensadas

Relendo minha última postagem, me pareceu um tanto agressiva ou rebelde. Das saudades que me referia, principalmente a da amizade, não quis dizer nada além da amizade. Nem quis dizer nada além da pessoa. Pois, posso estar perto sem estar junto. Não sinto falta do alguém, sinto saudade do que eu carregava de bom dentro do peito em relação a mim sem ter de fato a participação do outro. O outro é só o outro, de nada tem a ver com o castelo que construí em sua volta. Moldei os tijolos, produzi o cimento, comprei o terreno, fui responsável pela jardinagem, e ainda hoje, apesar de não querer mais o castelo, tenho consciência de que a conduta foi importante pra ser quem sou e não posso ignorar isso. A isso que fiz menção no post intitulado Raízes. Continuarei sendo eu comigo mesmo, eu com o sonho que gosto de sonhar. A graça de alguns sonhos está em apenas sonhá-los.

Hoje, 16 de agosto aconteceu algo muito simples - simplicíssimo, e igualmente bruniano. Coisas brunianas novamente se realizando. Nem me lembro mais da última vez que algo semelhante aconteceu. Ma-ra-vi-lho-so. Teve até sonorização. HAHAHA

Adoooooooooooro.

Vejamos amanhã o meu reencontro comigo mesmo.
Quanta saudade de mim e de tudo além que isso pode ser.

1 blábláblá:

morgana de mattos disse...

Eu nunca vi alguém que goste tanto de voltar às aulas, que goste tanto de pegar topic, que goste tanto de gastar horas viajando, que goste tanto do frio e das pessoas chatas que a gente tem que aturar em nome da "boa educação" (em amplo sentido). Putz.

Postar um comentário